Compartilhe com seus amigos:

Mile na EspanhaJamile, baiana meio soteropolitana, deixou tudo no Brasil para viver um grande amor no outro lado do atlântico na terra de Dom Quixote. Hoje, casadíssima há 4 anos, se sente feliz por ter dado um passo tão importante na sua vida. Adaptada à vida na Espanha, não pensa voltar pro Brasil. “Aqui tenho uma boa qualidade de vida, posso sair à rua sem medo de ser assaltada. Para mim há duas coisas importantes nessa vida: ter saúde e liberdade”.
Leia mais

Do Samba ao Flamenco

– Nome:
Jamile Julião

– Onde nasceu e cresceu?
Nasci em Ruy Barbosa (BA) mas fui criada em Ipirá (BA) até os 13 anos de idade. À partir daí morei até os meus 24 anos em Salvador.

– Em que país e cidade você mora?
Moro na Espanha, em Jerez de la Frontera, no sul do país.

Mile na Espanha, Jerez

– Você mora sozinho ou com sua família?
Moro com meu marido e minha cadelinha Kily

– Há quanto tempo você reside nesse local?
Há 5 anos

– Já residiu em outro(s) país(es) antes dessa experiência?
Não, nunca. Vontade sempre tive, mas nunca deu certo.

– Qual sua idade?
29 anos

– Quando surgiu a idéia de residir no exterior?
Eu sempre sonhei em passar uma temporada fora do Brasil, mas nunca tive o apoio dos meus pais. Queria ter tido a oportunidade de ter feito intercâmbio nos Estados Unidos para aprender inglês (idioma que adoro), mas ficou como um desejo frustrado. Depois até fiz planos com uma tia de ir a Boston passar uns meses, mas ficaram para trás também. Até que conheci o meu marido e depois de muitas conversas, dois anos de namoro à distancia, decidimos que eu viria morar na Espanha, já que para ele ir pro Brasil era mais complicado, já que tinha uma vida mais estabilizada, com um bom trabalho e como eu era apenas uma estudante, larguei tudo por amor e aqui estou eu na Espanha…quem diria!

– Foi difícil conseguir o visto de residência ou o visto de trabalho?
Uma vez casada você recebe o visto de residência, a parte mais chata é a burocrática. Foi mais difícil casar que conseguir o visto. Como está na “moda” agora os casamentos de conveniência, ou seja, somente para adquirir a nacionalidade, eles fazem uma entrevista com o casal para saber se realmente existe amor ou interesse.

Mile na Espanha, Catedral de Jerez

– Você tem seguro saúde? Foi difícil obtê-lo antes ou depois da sua chegada?
Tenho a seguridade social, o serviço público daqui é muito bom.

– Você trabalha? Como a renda familiar é obtida?
Trabalho numa escola de pilotos. Vivo numa região onde ter um trabalho é como ganhar na lotería(exagerando um pouco). O índice de desemprego aqui é muito grande, um dos maiores da Europa. Procurei durante anos, coloquei CV em varias lojas, mandei pelo correio pelas ofertas que encontrava na internet e nada deu certo. Até fui para uma entrevista para telemarketing que não deu em nada. Comecei a ficar desesperada, tive depressão e como eu tinha descartado certos tipos de trabalho que eu dizia jamais fazer, foram incluídos nos meus planos porque eu precisava fazer algo, ficar em casa me sentindo inútil estava acabando comigo.
Eu queria trabalhar, não importa do que e onde, desde que fosse um trabalho digno e honesto, claro. Então tive meu primeiro trabalhinho como garçonete num bar. Saí do bar e meu marido falou com o dono da empresa onde trabalha que se surgisse alguma vaga que contasse comigo. Contaram comigo e hoje trabalho na escola, com tudo direitinho. Não é o trabalho da minha vida, não gosto do que faço, mas por enquanto não tenho outra escolha, mas tenho planos pro futuro.

– Se a resposta anterior foi sim, você mudou de área depois da saída do Brasil ou continua no mesmo setor?
Eu não trabalhava no Brasil, fazia faculdade de Turismo e Hotelaria.

– Você fala a língua local? Você acredita que é importante aprender a língua local?
Falo o espanhol e acho não só importante como obrigatório para todo estrangeiro que quer morar aqui. Já tinha feito um curso de espanhol no Brasil, mas quando cheguei, notei que não tinha um nível legal, então procurei um curso de espanhol para poder falar e entender perfeitamente o idioma. Falando a língua é mais fácil encontrar trabalho, mais fácil o relacionamento com as pessoas e também por uma questão pessoal, porque estar num país onde você não fala o idioma e nem entende as pessoas é meio frustrante.

Mile na Espanha

– O que você pensa sobre seu novo país e o local onde mora (e/ou onde morou)? Eles respeitam os Brasileiros e outros expatriados vivendo nesse país?
No geral eu gosto muito do país e da cidade onde moro. Foi difícil a adaptação, me senti muito sozinha no início mas como o tempo cura tudo, fui encontrando meu espaço, fazendo amizades e conquistando tudo que sonhava. Nunca me senti discriminada, mas sei que existe muito racismo na Espanha, principalmente agora que muitos imigrantes estão entrando no país ilegalmente e é difícil ter um trabalho se você está ilegal, então a violência está crescendo cada vez mais.
As brasileiras aqui não tem uma boa fama, a maioria dos prostíbulos está cheio de brasileiras que vem para a Espanha enganadas por máfias que traficam mulheres. Confesso que no início tinha muita vergonha de dizer que era brasileira, mas hoje em dia isso não quebra mais a minha cabeça.

– Você tem filhos? Se sim, eles se adaptaram ao novo país? Estudam e têm amigos locais?
Não tenho filhos ainda…quem sabe ano que vem?

– Sente saudades da família no Brasil? Sente falta de produtos, alimentos e outras peculiaridades?
Sinto saudades, mas estaria mentindo se dissesse que sofro muito pela distância. Não é bem assim. Eu, desde os 13 anos não moro com os meus pais, me mudei para Salvador para estudar numa escola melhor e eles ficaram na cidade onde vivem até hoje, e isso me fez ficar acostumada com a situação de não tê-los por perto sempre.
Não sinto muita falta da comida brasileira, amo a culinária espanhola e me adaptei muito bem com a gastronomia daqui. Sinto falta apenas de algumas coisas: água de coco, uma feijoada de vez em quando, churrascaria com boas carnes, guaraná, uma boa pizza (que aqui não tem), sucos naturais, etc. Vou ao Brasil a cada dois anos.

– O que costuma fazer nas horas vagas, finais de semana e feriados? Quais as atividades recreacionais existentes?
O espanhol tem um estilo de vida mais ou menos parecido ao brasileiro. Gosta de fazer churrasco e reunir os amigos, gosta de praia, de ir ao shopping fazer compras. Eu gosto muito de praia, no verão fim de semana é sinônimo de praia, pro desespero do meu marido que não é chegado a uma prainha.
Já no inverno os planos mudam, vou mais ao cinema, saio com minhas amigas pra tomar café, fazer fondue ou reuniõezinhas a la brasileira. Gosto de parques naturais e recentemente descobri um lindo aqui na minha cidade chamado Jardín Escénico. Adoro sair pra passear rodeada de natureza. O Teatro Villamarta também é uma boa opção para quem gosta de teatro ou shows de Flamenco, está sempre em cartaz os melhores bailarinos, que por sinal, aqui onde moro foi onde nasceu o Flamenco, onde tudo começou. Também gosto de visitar as cidades vizinhas, explorar os cantinhos desse país.

Mile na Espanha

– Você tem planos para o futuro? Pretende viver nesse país para sempre?
Não me importaria viver aqui para sempre, gosto muito da Espanha. Meus planos agora são de ficar aqui, é o que eu quero e é onde pretendo criar meus futuros filhos, mas não descarto a possibilidade de voltar pro Brasil quando estiver aposentada. Quero ter uma casinha na praia e passar longas temporadas por lá.

– Você comprou ou alugou o local que reside? Quanto pagou ou paga por isso? Comprar imóveis é algo comum nesse país?
Tivemos a sorte de comprar uma casa legal antes do chamado “boom da contrução”. Hoje não teríamos condiçoes de comprar a casa que temos, teríamos que nos conformar com um apartamento relavivamente pequeno. Os preços estão caindo, mas ainda estão longe de ser como era antes. As pessoas, principalmente os jovens, estao preferindo alugar que comprar, coisa que não acontecia antes. Os alugueis aqui variam de 350 a 700 euros, dependendo do local e do tamanho do imóvel.

– Qual o custo de vida?
Comparando o salário que se ganha aqui, diria que a Espanha é um país caro, já que o salário médio do espanhol é de mais ou menos mil euros. O nível de vida aqui caiu muito depois da implantação do euro, tudo está mais caro e os salários continuam igual que antes. Penso que para uma familia de 4 pessoas seria necessário um salário de 3 mil euros para viver sem apertos, podendo fazer uma viagem a cada ano e pagando uma hipoteca baixa. Mas esse valor muda de acordo com a região onde cada um mora. Aqui na Andaluzia, por exemplo, com 3 mil euros dá para viver bem.

Mile naEespanha

– Quais os pontos positivos e negativos de morar nesse país?
Positivos: clima (4 estações bem definidas e pouca umidade), boa saúde pública, dias largos (no verão sol até as 21:30), boa comida, gente simpática, segurança, educação (boas escolas públicas), boas festas populares (principalmente a Feria)

Negativos: alto índice de desemprego, salários baixos, mão de obra pouco qualificada, informalidade(nisso são parecidos aos brasileiros), discriminação contra estrangeiros (não tão escancarada, mas existe), os jovens bebem e fumam muito e a comida ser boa demais (engorda rs)

– Qual a curiosidade que mais te chama a atenção nesse país?
Uma coisa que me chamou a atençao aqui, é que os vendedores das lojas não te sufocam como no Brasil, aqui me sinto à vontade de entrar numa loja, provar tudo que eu tiver vontade e sair sem comprar nada se não gostei.
O atendimento nos bares deixa muito a desejar, nem se compara um garçom brasileiro com um garçom espanhol. Eles precisam ir ao Brasil fazer um curso de: como agradar um cliente com um bom atendimento.
Almoçar às 3:30 da tarde. Nossa, no comecinho foi difícil, mas já me acostumei.

– Você tem sugestões ou dicas para pessoas que pretendem viver nesse país?
Vir legal para ter todos os direitos: acesso à saúde, trabalho, cursos.
Aprenda o idioma. Se você tem planos de vir, faça um cursinho de espanhol antes para não se sentir tão perdido, e chegando aqui não deixe de estudar, existem cursos gratuitos para estrangeiros.
Tente se adaptar aos costumes locais, não queira que as pessoas se adaptem a você.

– Você gostaria de recomendar algum web site ou blog relacionado à esse país?
-Site do consulado español em Sao Paulo: www.consuladoespanasp.org.br

– Site em espanhol sobre informaçoes sobre a Espanha; onde ir, o que fazer, onde comer, o que visitar: www.spain.info

Participe… Deixe seu comentário!

News Reporter
Criou o Bate Papo Pelo Mundo (também conhecido como Entrevistando Expatriados) em 2008 e adora conversar sobre o assunto vida no exterior. Atualmente mora no Canadá, mas também já chamou de casa países como a Holanda, os Estados Unidos e a Australia. Ela também escreve nos blogs Casal Mikix e Viajoteca, e atua como consultora de intercâmbio para o Canadá, junto a Mikix Intercâmbio.

9 thoughts on “Do Samba ao Flamenco

  1. oi tenho 39 anos e adoraria tbm morar em outro pais.tenho amigos na espanha.eles moram ai a 2 anos,agente sempre sonha dee eu ir morar ai,mas tenho medo de nao conseguir trab.meus amigos tem um salao em casa,por isso pra eles foi tao bom.nao sou formada em nada trab serv gerais,mas ja fui atendente,analista de cred,balconista e vendedora.acha q consigo algo assim por ai?

  2. holaaaaa,

    me quedou uma duvida bem grande, como voce chegou na espanha, visto de turista de estudiantes?
    quamdo casou? que precisou pra ficar la?
    obrigada

  3. Meu sonho frustrado de intercambio era ir para o Japão, sempre tive loucura pela cultura japonesa e pela lingua, mas nunca, ams como c disse! não sabemos onde vamos parar!!! hjehehe

  4. Meu Deus que grata surpresa … adorei ter achado vc por aqui … enfim.. to agora chamando todos aqui pra ler a entrevista comigo … abração …. Maíra Rebouças (lá de Ruy Barbosa—- espero em breve esta rumo a Australia, Espanha ou Italia … )

  5. Ai que entrevista legal Eu adoro a Espanha, as ruelas, a cultura, as praias, a cultura que existe neste país. Adoro comer Paella, é o meu prato preferido. E danco Flamenco há 6 anos, hehehehehehh!!!

    Abracos

  6. Que entrevista ótima…Eu amo a Espanha e amei essa entrevista.
    Eu tenho uma amiga em Cádiz, mas que neste momento tá em Alicante.
    Sou fã de Flamenco!
    Um bjão

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Compartilhe com seus amigos:

Mile na EspanhaJamile, baiana meio soteropolitana, deixou tudo no Brasil para viver um grande amor no outro lado do atlântico na terra de Dom Quixote. Hoje, casadíssima há 4 anos, se sente feliz por ter dado um passo tão importante na sua vida. Adaptada à vida na Espanha, não pensa voltar pro Brasil. “Aqui tenho uma boa qualidade de vida, posso sair à rua sem medo de ser assaltada. Para mim há duas coisas importantes nessa vida: ter saúde e liberdade”.
Leia mais Continue reading “Do Samba ao Flamenco” <span class="meta-nav">→</span>

News Reporter
Criou o Bate Papo Pelo Mundo (também conhecido como Entrevistando Expatriados) em 2008 e adora conversar sobre o assunto vida no exterior. Atualmente mora no Canadá, mas também já chamou de casa países como a Holanda, os Estados Unidos e a Australia. Ela também escreve nos blogs Casal Mikix e Viajoteca, e atua como consultora de intercâmbio para o Canadá, junto a Mikix Intercâmbio.

0 thoughts on “Do Samba ao Flamenco

  1. oi tenho 39 anos e adoraria tbm morar em outro pais.tenho amigos na espanha.eles moram ai a 2 anos,agente sempre sonha dee eu ir morar ai,mas tenho medo de nao conseguir trab.meus amigos tem um salao em casa,por isso pra eles foi tao bom.nao sou formada em nada trab serv gerais,mas ja fui atendente,analista de cred,balconista e vendedora.acha q consigo algo assim por ai?

  2. holaaaaa,

    me quedou uma duvida bem grande, como voce chegou na espanha, visto de turista de estudiantes?
    quamdo casou? que precisou pra ficar la?
    obrigada

  3. Meu sonho frustrado de intercambio era ir para o Japão, sempre tive loucura pela cultura japonesa e pela lingua, mas nunca, ams como c disse! não sabemos onde vamos parar!!! hjehehe

  4. Meu Deus que grata surpresa … adorei ter achado vc por aqui … enfim.. to agora chamando todos aqui pra ler a entrevista comigo … abração …. Maíra Rebouças (lá de Ruy Barbosa—- espero em breve esta rumo a Australia, Espanha ou Italia … )

  5. Ai que entrevista legal Eu adoro a Espanha, as ruelas, a cultura, as praias, a cultura que existe neste país. Adoro comer Paella, é o meu prato preferido. E danco Flamenco há 6 anos, hehehehehehh!!!

    Abracos

  6. Que entrevista ótima…Eu amo a Espanha e amei essa entrevista.
    Eu tenho uma amiga em Cádiz, mas que neste momento tá em Alicante.
    Sou fã de Flamenco!
    Um bjão

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *