Vivendo na capital da América Latina

Mudamos para Miami por conta do trabalho do meu marido. Depois de uma vida toda em São Paulo, no bairro de Pinheiros, qualquer mudança não seria fácil. Mas Miami é uma cidade muito acolhedora, com um clima delicioso e que te oferece muito mais do que parece. Foi doloroso deixar o Brasil, mas com certeza, ir para Miami foi o melhor dos mundos!

Brasileiros em Miami

Capital da América Latina– Nome:

Juliana Guimarães de Castro Neves

– Onde nasceu e cresceu?

Nasci e cresci em São Paulo, no bairro de Pinheiros.

– Em que país e cidade você mora?

Moro nos EUA, em Miami.

– Você mora sozinho ou com sua família?

Moro com minha família: meu marido Alex e meus filhos Nina (13 anos) e Matias (11 anos)

– Há quanto tempo você reside nesse local?

4 anos!

– Já residiu em outro(s) país(es) antes dessa experiência?

Nunca!

– Qual sua idade?

46 anos

– Quando surgiu a ideia de residir no exterior?

Viemos para Miami pelo trabalho do meu marido. Não foi exatamente uma ideia nossa e sim algo que aconteceu e resolvemos embarcar!

– Foi difícil conseguir o visto de residência ou o visto de trabalho?

Não, a empresa se encarregou dos vistos. Eu, mesmo como esposa tinha visto de trabalho também e depois de dois anos já tínhamos o green card.

– Você tem seguro saúde? Foi difícil obtê-lo antes ou depois da sua chegada?

O seguro também foi feito pela empresa e então não foi difícil obtê-lo.

– Você trabalha? Como a renda familiar é obtida?

Não. Larguei meu emprego no Brasil para acompanhar meu marido nesta jornada. Nossa renda vem do salário dele.

– Se a resposta anterior foi sim, você mudou de área depois da saída do Brasil ou continua no mesmo setor?

Sou advogada no Brasil e então resolvi fazer um LLM (Master of Law) em International Arbitration na University of Miami, já que não podia trabalhar como advogada aqui sem antes obter o BAR (a OAB daqui).

– Você fala a língua local? Você acredita que é importante aprender a língua local?

Sim! Na verdade, as “línguas locais”, pois em Miami se fala mais espanhol do que inglês apesar do inglês ser a língua “oficial”. Mas sim, já sabia falar espanhol e inglês antes de chegar por aqui. Acho importantíssimo falar a língua local, faz toda a diferença para uma melhor adaptação. Mas eu diria que Miami é um pouco atípico, pois a comunidade brasileira é grande e acabei fazendo muitos amigos novos, mas a grande maioria brazucas mesmo.

Capital da América Latina

– O que você pensa sobre seu novo país e o local onde mora (e/ou onde morou)? Eles respeitam os Brasileiros e outros expatriados vivendo nesse país?

Antes de me mudar para Miami confesso que não tinha muita simpatia pela cidade, achava que era um lugar somente para ‘compras’ e para ‘festa’. Hoje, tenho uma visão totalmente diferente: acho uma cidade linda, com muito verde e com muita arte e cultura. Além é claro de ser um lugar super eclético, onde todas as pessoas de diferentes países e tribos são sempre bem-vindas. E sem contar que a comunidade brasileira é enorme.

– Você tem filhos? Se sim, eles se adaptaram ao novo país? Estudam e têm amigos locais?

Sim, Nina de 13 anos e Matias de 11 anos. Eles se adaptaram, tem amigos de varias nacionalidades, poucos americanos puros….

– Sente saudades da família no Brasil? Sente falta de produtos, alimentos e outras peculiaridades?

Muitas, chega a doer! Nós todos morremos de saudades da família e amigos do Brasil. Por outro lado, não temos saudades de produtos pois aqui achamos tudo! Tem uma lojinha brasileira bem pertinho de casa e lá achamos de tudo!

– O que costuma fazer nas horas vagas, finais de semana e feriados? Quais as atividades recreacionais existentes?

Ficamos muito em casa nos finais de semana. Como aqui faz calor quase o ano todo, quase todas as casas têm piscina e churrasqueira. Então rola muito churrasco com amigos (quase sempre brasileiros!)…

Nos finais de semana também temos que acompanhar minha filha mais velha que joga basquete numa liga recreativa. É muito comum por aqui as crianças que praticam algum esporte ou que tocam algum instrumento terem jogos e apresentações nos finais de semana.

Por outro lado, nos feriados costumamos viajar ou de carro para um lugar na Florida mesmo (Orlando, Tampa, Naples,..) ou de avião (já fomos para diversos estados americanos, Canada e também Caribe). Aproveitamos nossa estada por aqui para conhecer novos lugares!

Outra coisa que gosto de fazer por aqui e andar de bicicleta. Miami tem inúmeras ciclovias, eh toda plana e a natureza esta por toda parte. Não tem exercício melhor para fazer por aqui! Mas cuidado, pois você pode achar um jacaré pelo caminho!… Eu mesma já me deparei com alguns nestas andanças.

Capital da América Latina

– Você tem planos para o futuro? Pretende viver nesse país para sempre?

Eu não quero ficar aqui para sempre. Gosto de viver por aqui, mas o Brasil ainda eh minha casa. No Brasil estão minha família, amigos da vida e minhas raízes. Não sabemos ainda por quanto tempo ficaremos por aqui, mas não será para sempre.

– Você comprou ou alugou o local que reside? Quanto pagou ou paga por isso? Comprar imóveis é algo comum nesse país?

Primeiro alugamos uma casa e depois de um ano e pouco resolvemos comprar, pois financeiramente valia a pena,

– Qual o custo de vida?

Imagino que com US$ 10,000 por mês, você pode ter uma vida bem boa por aqui – considerando uma família com 4 pessoas. Isso inclui o aluguel ou “mortgage” da sua casa.

– Quais os pontos positivos e negativos de morar nesse país?

Tem muitos pontos positivos como a segurança, a qualidade de vida em geral (estamos mesmo expostos a trânsito, temos acesso a muitos produtos por preços acessíveis, temos uma vida tranquila!) e as coisas funcionam melhor (tem menos burocracia).

E os negativos: estamos longe das nossas raízes e muitas vezes temos choques culturais.

– Qual a curiosidade que mais te chama a atenção nesse país?

Costumo dizer que ao contrario do brasileiro, o americano não sabe ser gentil. Gentileza não faz parte da cultura deles e muitas vezes, quando você tenta ser gentil, você é mal interpretado, pois eles não entendem este conceito! Logo que cheguei por aqui, passei por uma situação que ilustra bem isso.

Eu estava caminhando até a escola dos meus filhos para ir busca-los. Estava sem pressa nenhuma pois havia saído mais cedo de casa e ainda teria que esperar pelo menos uns 15 minutos para o sinal de saída tocar. Quase chegando na escola vi que havia um guarda tentando organizar o trânsito sempre caótico de porta da escola. Havia uma fila enorme de carros esperando para cruzar uma rua e quando o guarda me viu, ele resolveu parar os carros para que eu pudesse cruzar a pe. Como estava sem pressa alguma e querendo ser gentil, falei com o guarda que eu não me importava de esperar para atravessar e que se ele quisesse liberar a fila de carros, eu não me importaria de ficar esperando. Disse isso porque percebi que a fila de carros estava imensa e que isso iria desanuviar o transito. Mas, o guarda não entendeu minha gentileza… pelo contrario, ele achou que eu estava querendo “mandar” nele e foi extremamente grosso comigo. Me respondeu gritando que ele é quem definia quando deveria parar os carros e que eu não tinha que me meter. Fiquei chocada e ofendida, achando ele um grosso. Mas depois de um tempo, percebi que ele não tinha noção do que era GENTILEZA, que isso não fazia parte do seu repertório. Porque aqui nos EUA, as pessoas têm muito respeito pelos outros e senso de comunidade, mas não são gentis.

Outra curiosidade de Miami especificamente é que os pavões vivem soltos pela cidade. Vira e mexe você cruza com um pavão na rua, nos parques ou até mesmo no jardim da sua casa! A quantidade é tão grande que a cidade esta considerando esteriliza-los para conter sua proliferação…

– O país que você reside tem alguma coisa que é usado no dia a dia que você acha que seria interessante ser implementado no Brasil?

Nada de relevante

– Você tem sugestões ou dicas para pessoas que pretendem viver nesse país?

Viver em Miami é muito fácil. A cidade é linda, as pessoas são acolhedoras. Não há grandes desafios a não ser a saudades da família e amigos.

– Se pudesse descrever em uma palavra a experiência que esta vivendo nesse país, qual seria?

Saudades. Depois de uma vida morando na mesma cidade e no mesmo bairro, a saudade dos familiares e amigos chega a doer.

– Você gostaria de recomendar algum web site ou blog relacionado à esse país?

A coisa mais fácil do mundo é achar informação sobre Miami na internet. Mas acho interessante saber que Miami não é só compras e praia, tem muita vida cultural e lugares lindos para se visitar. É uma cidade bem eclética e super interessante!

 

Continue lendo mais entrevistas de Brasileiros que vivem nos Estados Unidos

News Reporter
Criou o Bate Papo Pelo Mundo (também conhecido como Entrevistando Expatriados) em 2008 e adora conversar sobre o assunto vida no exterior. Atualmente mora no Canadá, mas também já chamou de casa países como a Holanda, os Estados Unidos e a Australia. Ela também escreve nos blogs Casal Mikix e Viajoteca, e atua como consultora de intercâmbio para o Canadá, junto a Mikix Intercâmbio.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *