Canadian Dream, Le Rêve canadien

Cecília e o marido se mudaram para o Canadá depois que ela foi aprovada para fazer doutorado. Se mudaram para uma cidadezinha próxima a Montreal e desde então chamam o Canadá de casa. Hoje possuem o visto de residência permanente, tem um filho e estão felizes com a decisão que tomaram!

Brasileiros no Canadá!

– Nome: Cecilia

– Onde nasceu e cresceu?

Nasci no Rio de Janeiro, e cresci em Niteroi.

– Em que país e cidade você mora?

Moro numa cidadezinha próxima de Montreal, Canada.

– Você mora sozinho ou com sua familia?

Moro com minha família.

– Há quanto tempo você reside nesse local?

4 anos e meio.

– Já residiu em outro(s) país(es) antes dessa experiência?

Sim, morei por 4 anos na França.

– Qual sua idade?

Eu tenho 35 anos.

– Quando surgiu a idéia de residir no exterior?

Eu estudei numa escolar francesa. Aprendi a contar em francIes, cantar Jordi e La Marseillaise. Então, sempre tive a vontade e curiosidade de
ir a França.

Por coincidIencia e sorte, minha orientadora de iniciação científica tinha colaboração com um laboratório na França. Então fui fazer um estagio. Depois ganhei a bolsa para o doutorado. E desde então não voltei mais ao Brasil.

– Foi difícil conseguir o visto de residência ou o visto de trabalho?

No meu caso não foi difícil. Eu vim para o Canada com visto de trabalho. Eu sou Biomédica e vim fazer meu postdoc.

O processo para obtenção desse visto foi super rápido, somente 4 dias. Talvez por ter dado entrada da França. Mas agora somos residentes permanentes.

Após o primeiro ano aqui começamos o processo, e tudo segue de maneira muito tranquila. Os documentos são caros, mas se você corresponde a exigência do processo de imigração, o título de residente permanente será obtido no prazo estipulado (cerca de 14 meses).

– Você tem seguro saúde? Foi difícil obtê-lo antes ou depois da sua chegada?

No Canada o sistema de saude é público. Eu tenho seguro saude do governo e um adicional particular pago pelo meu empregador que cobre dentista, fisioterapia, optometrista e etc.

Como cheguei com visto de trabalho fechado (o que significa que eu vim com um contrato com uma “empresa”, no caso uma universidade), eu tenho direito ao sistema público de saúde. Existe uma carência de 3 meses, mas logo você já está apto para usar caso precise.

– Você trabalha? Como a renda familiar é obtida?

Sim, trabalho como postdoc em uma universidade desde que cheguei. Eu entrei em contato quando ainda estava na França, fiz entrevistas por skype e depois recebi a oferta de trabalho. Como eu tinha esta oferta, meu marido também teve direito ao visto de trabalho.

Meu marido trabalha como designer num escritório de arquitetura. Meu marido demorou 6 meses para conseguir emprego. No início foi difícil porque os padrões de CV do Canada são diferentes e não sabíamos disso. Ele nunca era chamado para entrevista. Depois que meu marido participou de um curso sobre como se preparar para busca de emprego no Quebec, ele foi rapidamente convocado para várias entrevistas e esta trabalhando na mesma empresa até hoje.

O importante aqui é ressaltar todas as suas qualidades. Não se deve colocar informaçõees pessoais no CV como local e data de nascimento, foto, idade. Ele procurou por emprego nos sites do governo.

– Se a resposta anterior foi sim, você mudou de área depois da saída do Brasil ou continua no mesmo setor?

Não mudamos de area.

– Você fala a língua local? Você acredita que é importante aprender a língua local?

Montreal é uma cidade multicultural e duas linguas são oficialmente aceitas. Falamos francês e inglês.

Mas aqui no Quebec é importantíssimo falar francês se voce quer se integrar por completo. É possível viver so falando inglês, mas as oportunidades de emprego, por exemplo, serão bem reduzidas.

Eu também acho importante você poder se comunicar com as pessoas na lingua local de maior ligação com a cultura e história. Nos dá a oportunidade de nos relacionarmos com mais pessoas. Nós percebemos como a nossa aceitação é maior em comparação com famílias que
só falam ingles. De modo geral, imigrar é abraçar uma outra cultura.

– O que você  pensa sobre seu novo país e o local onde mora (e/ou onde morou)? Eles respeitam os Brasileiros e outros expatriados vivendo nesse país?

Eu tenho a impressão que todos são respeitados aqui. Eu escolhi vir para cá porque o país se reconhece como uma nação formada por varias outras. E o atual govoerno faz questão de ressaltar que a diversidade é a maior qualidade e ponto forte que eles tem. Eu não tinha esse sentimento na França.

Então, acho que fiz a escolha certa vindo para cá. Os brasileiros são queridos em todos os países que ja passei. Mas enquanto imigrantes, creio que aqui eles são tão respeitados quanto qualquer outro povo.

Eu conheço brasileiros que são donos de negócios, e eles são procurados pela imprensa local para falar dos seus produtos. Para contar como é a comunidade brasileira. As pessoas querem conhecer mais da nossa cultura. E nos locais de trabalho, os brasileiros são conhecidos por serem bons trabalhadores, inteligentes (super qualificados para os cargos), amigos, alegres e acolhedores.

– Você tem filhos? Se sim, eles se adaptaram ao novo país? Estudam e têm amigos locais?

Tenho um filho que nasceu aqui no Canada. Ele tem quase dois anos, então seu circulo de amigos são as crianças da creche (de famílias de canadenses e estrangeiros) e filhos de amigos brasileiros (acho importante ele ter contato com crianças brasileiras).

– Sente saudades da família no Brasil? Sente falta de produtos, alimentos e outras peculiaridades?

Sinto saudades da minha familia (parentes e amigos). Mas agora com filho e muitos amigos aqui, aprendi a lidar e vivo muito feliz com minha familia canadense. Somos um grupo grande e juntos sentimos muita falta de catupiry!

Todos os outros produtos encontramos aqui. Em Montreal tem vários mercados portugueses e restaurantes brasileiros onde conseguimos nossas comidas preferidas.

– O que costuma fazer nas horas vagas, finais de semana e feriados? Quais as atividades recreacionais existentes?

Isso depende muito da época do ano. No verão, ficamos o máximo de tempo ao ar livre. Fazemos churrasco, picnic, vamos andar em parques, correr, andar de bicicleta. No inverno, vamos muito para casa dos amigos comer, jogar algum jogo de tabuleiro ou cartas, assistir jogo de futebol e series  (todo grupo de amigos tem um que assina o determinado canal necessário).

Acho que a principal diferença é essa adequação com a temperatura. Como a variação é muito grande durante o ano, acabamos fazendo coisas muito diferentes no verão e no inverno. E o fato de não termos familia por perto, faz com que estejamos sempre com nossos amigos. Mas no Brasil eu também estava sempre com os amigos. Ahn… Creio que nao mudou tanto!

– Você tem planos para o futuro? Pretende viver nesse país para sempre?

Por enquanto meus planos são realmente de ficar por aqui enquanto eu estiver emprego e satisfeita. Meus pais tem 60 anos e estão bem de saude. Talvez eu reveja esse plano quando eles precisarem de mais cuidados.

– Você comprou ou alugou o local que reside? Quanto pagou ou paga por isso? Comprar imóveis é algo comum nesse país?

Sim, compramos nossa casa depois que nos tornamos residentes permanentes. Pagamos 250 mil dolares canadenses. Comprar aqui é muito comum.
Os preços são baixos. O valor da hipoteca é menor do que um aluguel. O valor a ser pago para dar inicio na compra eh somente 5% do valor do imóvel. Se voce tem renda fixa e bom histórico de crédito (paga suas contas em dia), não é difícil ter financiamento pelo seu próprio banco.

Vale a pena, principalmente se você tem filhos e precisa deu m lugar maior.

– Qual o custo de vida?

Acredito que uma familia possa viver com 2mil dolares por mês para pagar todas as contas.

– Quais os pontos positivos e negativos de morar nesse país?

Pontos positivos: segurança, qualidade de vida, aceitação aos estrangeiros, multiculturalismo e beleza natural.

Pontos negativos: inverno longo e ausência de catupiry.

– Qual a curiosidade que mais te chama a atenção nesse país?

Muitas coisas!

1) O quanto as pessoas respeitam as outras, o que é dos outros, e como eles tentam sempre ser corretos. Exemplo: eu fiz minha declaração de imposto de renda e não ficou claro se eu tinha direito a reembolso de medicamentos pelo complemento do seguro de saude do meu trabalho (se você não tem, você é obrigado a pagar 650 dolares para ter pelo governo). Liguei para o orgão do governo e me desculpei por não ter anexado o
comprovante de pagamento do meu seguro atestanto que estou coberta caso precise de medicamentos. Perguntei se poderia enviar por carta, email ou fax. Já estava ficando estressada achando que teria que pagar 650 dolares porque esqueci do documento. O atendente me disse: não precisa me enviar nada, eu acredito em você.

2) Outra curiosidade: o horário para as refeições. Jantar aqui é as 18h! Não pode ser mais tarde. Eles não entendem. Então, se for jantar com canadenses, chegue na hora ou se estiver recebendo avise o horario.

– O país que você reside tem alguma coisa que é usado no dia a dia que você acha que seria interessante ser implementado no Brasil?

Ah, tantas coisas aqui poderiam ser implementadas no Brasil. Pontos de ônibus com horário. Aplicativo que te mostra o horário e onde o ônibus esta em tempo real melhoraria a vida de muita gente que utiliza transporte publico.

– Você tem sugestões ou dicas para pessoas que pretendem viver nesse país?

Minha dica para quem quer imigrar para o Canada seria de economizar para sobreviver aos primeiros meses caso não venham com oferta de trabalho, e se vierem ao Quebec para fazerem curso de francês. Diria para não se preocuparem com o inverno. Casacos e botas aqui são próprios para isso.

– Se pudesse descrever em uma palavra a experiência que esta vivendo nesse país, qual seria?

Felicidade.

– Você gostaria de recomendar algum web site ou blog relacionado à esse país?

Eu recomendo a comunidade de Brasileiros em Montreal no facebook.
https://www.facebook.com/groups/brasileirosmontreal/

 

Leia mais entrevistas de brasileiros que moram no Canadá.

News Reporter
Criou o Bate Papo Pelo Mundo (também conhecido como Entrevistando Expatriados) em 2008 e adora conversar sobre o assunto vida no exterior. Atualmente mora no Canadá, mas também já chamou de casa países como a Holanda, os Estados Unidos e a Australia. Ela também escreve nos blogs Casal Mikix e Viajoteca, e atua como consultora de intercâmbio para o Canadá, junto a Mikix Intercâmbio.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *