Cariocas no Canadá

Família carioca que mora no Canadá há nove anos conta como foi a adaptação ao novo país e como se sentem em casa mesmo no inverno rigoroso.

Brasileiros no Canadá

– Nome: Andrea Leite

– Onde nasceu e cresceu?

Nasci e cresci no Rio de Janeiro.

– Em que país e cidade você mora?

Moro no Canadá, na cidade de Oakville, Ontario.

– Você mora sozinho ou com sua familia?

Moro com meu marido e minha filha de 24 anos.

Cariocas no Canadá

– Há quanto tempo você reside nesse local?

Moro em Oakville há quase sete anos; antes morei em Mississauga por dois anos. (Cidades próximas de Toronto).

– Já residiu em outro(s) país(es) antes dessa experiência?

Morei nos Estados Unidos por três meses como estudante de intercâmbio.

– Qual sua idade?

54 anos.

– Quando surgiu a idéia de residir no exterior?

Em 2007 meu marido começou a pensar em fazer um mestrado fora do país para melhorar seu currículo e também para ter uma experiência internacional. Durante a pesquisas, contatos com universidades etc ele descobriu o processo de imigração do Canadá. Começamos a pesquisar bastante sobre o assunto e vimos que tínhamos os pontos necessários para nos candidatarmos ao visto de residente permanente e
resolvemos ir em frente com o processo.

– Foi difícil conseguir o visto de residência ou o visto de trabalho?

O processo todo demorou dois anos e naquela época não era tão difícil conseguir a residência permanente. Não havia restrição de profissões e foi relativamente tranquilo. A única coisa que nos deixava extremamente ansiosos era a demora do processo em si e a falta de qualquer comunicação por parte do Consulado Canadense em São Paulo durante todo o período que ficamos aguardando o visto. A vida praticamente parou, não sabíamos se nosso processo seria aceito ou não, e a angústia era parte da nossa vida.

Cariocas no Canadá
Ruas de Oakville

– Você tem seguro saúde? Foi difícil obtê-lo antes ou depois da sua chegada?

Sim, tivemos acesso ao OHIP (Ontario Health Insurance Plan) três meses depois da nossa chegada. Mas fizemos um seguro saúde para cobrir esses primeiros três meses.

– Você trabalha? Como a renda familiar é obtida?

Eu e meu marido trabalhamos. No início foi um pouco mais difícil pra ele, mas pra mim foi um pouco mais fácil, pois trabalho na área administrativa. Consegui meu primeiro emprego com a indicação de amigos que começaram a me ajudar a ajustar currículo quando ainda estávamos no Brasil. Fiquei nesse primeiro emprego por um ano e meio. O segundo emprego, no qual estou até hoje (quase sete anos), também foi conseguido através de networking. A mesma coisa aconteceu com meu marido, que é da área de Marketing: ele conseguiu o emprego onde está até hoje através da indicação de um amigo. Nertworking é tudo!

– Se a resposta anterior foi sim, você mudou de área depois da saída do Brasil ou continua no mesmo setor?

Tanto eu quanto meu marido continuamos nas mesmas áreas em que trabalhávamos no Brasil (Eu na área administrativa e ele na área de Marketing).

– Você fala a língua local? Você acredita que é importante aprender a língua local?

Sim, falo Inglês e já tinha fluência/conhecimento da língua antes de vir para o Canadá. Acredito que isso seja fundamental para o sucesso em qualquer país. Conhecer o idioma, pesquisar sobre hábitos e costumes e tentar ao máximo se adaptar são coisas fundamentais para o sucesso do imigrante.

– O que você  pensa sobre seu novo país e o local onde mora (e/ou onde morou)?

Eles respeitam os Brasileiros e outros expatriados vivendo nesse país? Eu e minha família adoramos morar no Canadá. Sempre fomos muito bem tratados, nunca notamos ou sofremos qualquer tipo de preconceito. Acredito que isso seja devido a dois fatores: primeiro, nós sempre tentamos nos adaptar ao país, às regras e respeitamos a cultura local. O segundo fator é o resultado do primeiro: se você respeita as regras, tenta se adaptar ao local e às pessoas, é muito mais fácil ser respeitado também.

Cariocas no Canadá
Nossas tatoos em homenagem ao Canadá.

– Você tem filhos? Se sim, eles se adaptaram ao novo país? Estudam e têm amigos locais?

Sim, tenho uma filha de 24 anos que chegou aqui com 16 anos. Nos primeiros meses foi um pouco difícil, mas logo ela se adaptou. Uma coisa importante foi ter outros adolescentes brasileiros na mesma escola. Isso a ajudou a entender como funcionavam as coisas e a se integrar melhor. Hoje em dia ela nem pensa em voltar para o Brasil. Só mesmo de férias, para visitar a família. Ela está terminando a faculdade, trabalha e tem vários amigos brasileiros, canadenses e até de outras nacionalidades.

– Sente saudades da família no Brasil? Sente falta de produtos, alimentos e outras peculiaridades?

A saudade é com certeza a coisa que mais impacta na vida do imigrante. Mas hoje em dia, com tantas facilidades como a Internet, o Skype, o Whatsapp, conseguimos manter contato com a família e amigos. Às vezes sentimos falta de algumas coisas do Brasil, mas aqui em Oakville e em Toronto existem vários mercados que vendem produtos brasileiros, o que ajuda a suprir essa falta. Já conseguimos fazer feijoada, pão de queijo (Dois amigos nossos são os importadores do pão de queijo Forno de Minas!). Mas em geral conseguimos nos adaptar muito bem a tudo e não sentimos falta de muita coisa.

– O que costuma fazer nas horas vagas, finais de semana e feriados? Quais as atividades recreacionais existentes?

Nos finais de semana e feriados gostamos de nos encontrar com os amigos brasileiros – é bom poder falar coisas que todo mundo entende. Passamos a semana toda falando Inglês no trabalho, então no finais de semana é sempre bom relaxar e desligar o botãozinho do idioma estrangeiro. Como não temos filhos pequenos, nossa vida é bem tranquila e de vez em quando vamos ao cinema, gostamos também de experimentar os restaurantes locais e visitar cidades próximas. Em feriados ou nas férias já fomos a lugares mais distantes, como por exemplo quando fomos a Calgary, Rochosas Canadenses e Vancouver.

– Você tem planos para o futuro? Pretende viver nesse país para sempre?

Por enquanto nosso plano é ficar no Canadá. Já moramos aqui há nove anos e não nos vemos morando em outro lugar ou voltando para o Brasil.

Cariocas no Canadá
Nosso cachorrinho

– Você comprou ou alugou o local que reside? Quanto pagou ou paga por isso? Comprar imóveis é algo comum nesse país?

Quando chegamos ao Canadá alugamos uma casa em Mississauga durante dois anos. A media de aluguel em 2009, para uma casa de três quartos, era de CAD$1.600. Dois anos depois conseguimos comprar nossa casa em Oakville – antes do boom do mercado imobiliário!

– Qual o custo de vida?

Custo de vida é algo que é difícil padronizar. Cada família tem suas necessidades, alguns conseguem viver com menos, outros precisam de mais. Como já estou aqui há nove anos, fica difícil responder a essa pergunta, pois nosso estilo de vida é bem diferente de quando chegamos. Mas acredito que para uma família de quatro pessoas chegando hoje a Toronto, seja necessário no mínimo CAD$3.500 por mês. Mas isso é só uma estimativa baseada no custo do aluguel em Toronto, que subiu muito nos últimos anos.

– Quais os pontos positivos e negativos de morar nesse país?

Na minha opinião os pontos positivos são: país de primeiro mundo que respeita o cidadão; os serviços funcionam; paga-se muito imposto mas vemos o retorno (escolas públicas de ótima qualidade, manutenção das ruas e estradas etc).

O ponto negativo é a distância da família e amigos.

Cariocas no Canadá
Casa que alugamos em Mississauga quando chegamos.

– Qual a curiosidade que mais te chama a atenção nesse país?

Uma coisa que me chamou a atenção quando cheguei aqui e comecei a trabalhar foi que no verão as pessoas adoram andar de chinelo, até pra ir trabalhar! Cansei de ver pessoas, mulheres principalmente, indo trabalhar de chinelo tipo Havaianas. Hoje em dia isso não me chama mais a atenção, mas no
início achei engraçado demais.

– O país que você reside  tem alguma coisa que é usado no dia a dia que você acha que seria interessante ser implementado no Brasil?

Infelizmente não tenho nenhum exemplo. Ainda mais na situação em que se encontra o Brasil hoje em dia…

– Você tem sugestões ou dicas para pessoas que pretendem viver nesse país?

A dica mais importante é saber a língua local. Aprender antes de vir. Esse pensamento de que “vou
aprender lá, no dia-a- dia”, é muito arriscado. É claro que a pessoa pode aprender aqui, e vai aprender, mesmo que seja “na marra”, mas vai passar vários apertos, vai demorar a achar trabalho e vai sentir mais dificuldade do que alguém que já chega aqui sabendo o idioma.

– Se pudesse descrever em uma palavra a experiência que esta vivendo nesse país, qual seria?

Incomparável

Cariocas no Canadá

– Você gostaria de recomendar algum web site ou blog relacionado à esse país?
Os blogs que me ajudaram na época (E o seu, Mirella mikix.com, foi um deles!) hoje em dia nem sei se
ainda estão ativos. Mas alguns blogs/sites (em inglês) que continuo acompanhando são:

https://www.blogto.com/
https://www.theglobeandmail.com/
http://www.cbc.ca/news
https://www.cp24.com/

Leia mais histórias de Brasileiros no Canadá

News Reporter
Criou o Bate Papo Pelo Mundo (também conhecido como Entrevistando Expatriados) em 2008 e adora conversar sobre o assunto vida no exterior. Atualmente mora no Canadá, mas também já chamou de casa países como a Holanda, os Estados Unidos e a Australia. Ela também escreve nos blogs Casal Mikix e Viajoteca, e atua como consultora de intercâmbio para o Canadá, junto a Mikix Intercâmbio.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *